Fundo de emergência: 3 Dicas essenciais para si

Artigo do blog | Escrito por Gaiacasas

  jul 21, 2021 | Tempo de leitura 1,55 seg

Como criar um e estar sempre prevenido

poupar no fundo

Para uma vida financeira mais estável e sem sobressaltos, é fundamental ter um fundo de emergência.
Damos as melhores dicas para criar o seu.



Ninguém sabe o que nos reserva o futuro, por muito positivos que sejamos e por mais sonhos que tenhamos para conquistar.
Os imprevistos acontecem e, nesses momentos, ter um fundo de emergência ajuda a ter um maior controlo sobre a situação.

Todos nós estamos sujeitos a alterações inesperadas, como desemprego,
perda de rendimentos ou doença grave, que são, de facto, os casos mais comuns que
podem provocar dificuldades financeiras significativas

A existência de um sistema de poupança pode ser o seu balão de oxigénio.

“Se já tem um fundo de emergência, ou está a poupar para o mesmo,
saiba que está no bom caminho.
e ainda não pensou no assunto, então, hoje é o dia certo para começar. ”


Qual o valor adequado para um fundo de emergência?

construir uma casa

Não há um valor fixo, mas sim uma estimativa temporal. Explicamos melhor:
no mínimo, deve ter poupado o corresponde a seis vezes as suas despesas fixas mensais.

Isto é, se tem gastos de 800 euros por mês, então, no mínimo deve ter poupado 4.800 euros.

>

No caso de ser trabalhador independente ou empresário em nome individual, pela incerteza das receitas mensais,
então, há quem defenda que o fundo de emergência deve corresponder a um ano de despesas.
Dado o exemplo indicado, então, tal corresponde a 9.600 euros.

Sabemos que são valores elevadores e, em muitos casos, difíceis de alcançar
para a grande maioria das famílias portuguesas.

Ainda assim, queremos passar a ideia de que é mesmo importante
começar a poupar o quanto antes e considerar, como tal, a poupança como mais um pagamento obrigatório,
como acontece com o pagamento das contas do gás, da água ou das telecomunicações.

Como fazer o fundo de emergência: 3 dicas essenciais

A segurança financeira implica esforço, tempo e dedicação. Se não sabe por onde começar,
estas dicas vão ajudar a constituir o seu fundo de emergência.

1. Calcular e registar as despesas mensais

Para saber que valor deve acumular no fundo de emergência, tem de saber ao pormenor onde está a gastar o seu dinheiro,
seja num ficheiro Excel, seja numa aplicação.

Separe as despesas em fixas (renda / crédito habitação, poupança, outros créditos)
e variáveis (fatura da luz, água, telecomunicações, despesas com gasolina, supermercado, entre outros).

No caso das despesas anuais, pode dividir o valor total por 12,
para saber a quanto corresponde esse gasto por mês, como é o caso do IMI, IUC e afins.
Estes valores também devem ser considerados.

2. Registar os rendimentos

Agora que já sabe onde gasta o dinheiro, deve também contabilizar o valor dos rendimentos
de qualquer origem e proveniência, incluindo subsídios, como o de alimentação, férias e Natal.

Assim terá a perceção do dinheiro que lhe sobra depois de pagas todas as despesas.

3. Reduzir as despesas

Com toda esta informação explícita, será mais fácil perceber se está a gastar mais dinheiro
numa determinada categoria e, com isso, adotar estratégias que permitem poupar.

Por exemplo: pode abdicar de tomar o pequeno-almoço fora todos os dias;
pode renegociar os seus contratos de serviços; ou até
começar a estar mais atento às promoções dos supermercados



Onde deve aplicar o fundo de emergência?

Idealmente o dinheiro a investir no fundo de emergência deve ser considerado
logo no início do mês como se fosse mais uma despesa fixa, como outras que tem.

Atualmente, as contas poupança não possuem grandes taxas de rentabilidade,
porém é uma questão de analisar junto das entidades bancárias as diferentes opções e verificar se
há alguma boa oportunidade que deve aproveitar.

Poderá também subscrever Certificados de Aforro ou Certificados do Tesouro,
tendo a consciência de que está condicionado o acesso a liquidez durante algum tempo.



União

"Reunir-se é um começo, permanecer juntos é um progresso, e trabalhar juntos é um sucesso." – Henry Ford



Obrigado pelo vosso apoio!

A entregar os melhores artigos imobiliários

newsletter

Subscreva a nossa Newsletter

Receba os artigos no seu email semanalmente



Leia mais artigos em Destaque

Recibos da renda

O que fazer quando o senhorio não passa recibo da renda?

Recibos da renda

Quero ler este artigo
Investimento imobiliário

Investimento imobiliário com visto Gold cai para 33%

Investimento imobiliário

Quero ler este artigo
Casas modulares

Casas modulares: uma aposta no futuro

Guia das Casas modulares

Quero ler este artigo
Robot de cozinha

Ter ou não um robot de cozinha? Conheça os prós e os contras

Porquê um robot de cozinha?

Quero ler este artigo
Mudança de hora

Mudança de hora: qual o impacto nas visitas a imóveis?

Mudança da hora de inverno

Quero ler este artigo
Escritura

Escritura de imóvel: o que precisa e quanto vai gastar?

Saiba os documentos que necessita

Quero ler este artigo
Varandas

Aprenda a maximizar a utilidade de uma varanda pequena em casa

Sabia que a varanda pequena pode ser um luxo?

Quero ler este artigo
favoritos da crianca

As 4 divisões mais valorizadas em casa: Descubra quais

Confinamento, quarentena, isolamento: palavras a que nos habituamos

Quero ler este artigo
Alugar casa

Conheça as 4 Etapas essenciais para alugar casa

Descubra o que fazer para alugar casa

Quero ler este artigo
newsletter

Subscreva a nossa Newsletter

Receba os artigos no seu email semanalmente

A tecnologia está sempre a evoluir e o ramo imobiliário está em constante mudança.
Queremos garantir que estamos bem posicionados para trabalhar no limiar desta indústria de uma forma significativa para que não nos falte um passo na entrega do melhor produto aos nossos cliente.

SEMPRE A PENSAR EM SI
sempre a pensar em si