Garantia de produtos: o que vai mudar em 2022?

Artigo do blog | Escrito por Gaiacasas

  out 27, 2021 | Tempo de leitura 2m

Garantias de produtos

garantias

2022 traz novidades para os consumidores no que à garantia de produtos diz respeito.
Saiba tudo o que vai mudar



Como sabemos, no nosso país, a garantia de produtos é de dois anos, sendo que esse prazo pode ser aumentado mediante o pagamento de um valor adicional.

Nesses casos, o comprovativo deve ser guardado até ao término da subscrição desse serviço.

Esse cenário vai mudar já no dia 01 de janeiro de 2002 e vai passar a ser de três anos, isto é, os consumidores vão passar a ter mais um ano extra sem ter de pagar nada por isso.

Deve ainda saber que a violação deste direito -

“Constituirá contraordenação económica grave, o que significa que as multas podem variar entre 1.700 e 24 mil euros, dependendo da dimensão da empresa infratora"

garantias de produto



Se se tratar da compra de um bem usado, então, o prazo de três anos poderá ser negociado entre ambas as partes e, como tal, reduzido para 18 meses.

Além disso, o consumidor passará também a ter o direito a escolher o que fazer em caso de algum problema com o bem móvel no prazo de 30 dias, seja a devolução do dinheiro ou a substituição do mesmo, sem estar sujeito a qualquer condição.

Surge ainda uma última novidade: -

“Passa a ser obrigatório disponibilizar durante 10 anos peças sobresselentes e assistência para bens móveis sujeitos a registo, como os automóveis"

O objetivo que levou à criação desta lei, que vem no seguimento de diretivas europeias, deve-se à promoção da sustentabilidade, que vise a reparação dos aparelhos, ao invés de serem descartados.

A fiscalização de todas estas regras caberá à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE).

Em que situações se pode ativar a garantia?

A garantia pode ser acionada em várias situações, nomeadamente quando o produto:

  • Não cumpre com as funções para que foi feito;
  • Não tem as qualidades apresentadas seja por que meio for: publicidade, rotulagem ou descrição feita pelo vendedor;
  • Apresenta algum defeito ou deixa de funcionar, seja na totalidade ou apenas uma determinada função;
  • É mal instalado pelo vendedor ou pelo consumidor, desde este último tenha seguido as instruções de montagem.

Verificando-se estes casos, o consumidor tem direito a escolher qualquer uma destas soluções

  • Reparação
  • Substituição
  • Redução do preço
  • Cancelar a compra

Mas aqui há condicionantes:

“Se o consumidor contactar o vendedor, pode escolher uma das quatro soluções, se contactar o produtor, ou um representante, apenas pode escolher a reparação ou substituição."

Quem paga a resolução do problema?

As despesas do problema, seja o transporte, materiais ou mão-de-obra são sempre da responsabilidade do vendedor / fornecedor e nunca podem ser imputadas ao consumidor.

Qual o prazo para reparação ou substituição do produto?

Aqui há duas distinções a fazer:

  • No caso de bem móvel tem de ser feita num prazo máximo de 30 dias;
  • No caso de bem imóvel tem de ser feita num prazo razoável, tendo em conta
    a natureza do defeito.

E mesmo depois disso, continuam a ser assegurados alguns direitos dos consumidores:

quando há substituição ou reparação, o novo produto ou as peças que foram trocadas passam a ter um novo período de garantia, pelo que deve ser-lhe entregue o respetivo comprovativo da transação.

Saiba qual o prazo para denunciar um problema

Depois de identificar um problema, o consumidor tem de o denunciar num prazo máximo de:

  • 2 meses para bens móveis
  • 1 ano para bens imóveis

Para tal, precisa de apresentar o comprovativo de compra e não tem obrigação de provar o problema.

Ainda assim, o vendedor pode fazer uma análise ao produto para tentar provar que o problema ocorreu depois da entrega do produto, contudo, este procedimento não pode ser cobrado ao consumidor

Consequentemente, o consumidor não pode reclamar se:

  • O defeito foi causado por má utilização ou acidente;
  • Teve conhecimento do defeito antes de comprar o produto.

E o que acontece com as compras a particulares?

Neste caso, a lei mantém-se: no negócio entre particulares não é obrigatório que exista garantia.



O que pode, na verdade, acontecer, é que quando alguém vende, por exemplo, um computador, caso este ainda esteja dentro da garantia, o novo proprietário pode usufruir do tempo que restar.
Porém, se a garantia do produto em causa já tiver terminado, então, não há mesmo nada a fazer.

Fonte: ePortugal.Gov.PT – Garantia de produtos comprados em portugal





apoios no imobiliário

"Se a empresa não cuidar do seu cliente, a concorrência irá" - Bob Hooey - Autor e coach empresarial

A tecnologia está sempre a evoluir e o ramo imobiliário está em constante mudança.
Queremos garantir que estamos bem posicionados para trabalhar no limiar desta indústria de uma forma significativa para que não nos falte um passo na entrega do melhor produto aos nossos cliente.

SEMPRE A PENSAR EM SI
sempre a pensar em si



Leia mais artigos em Destaque

La Redoute

Sabia que a La Redoute abriu uma loja no porto?

A La Redoute já abriu

Quero ler este artigo
Casas pre fabricadas

Tudo o que precisa saber sobre casas pré-fabricadas

Casas pré fabricadas

Quero ler este artigo
Planta

Dicas para ter o melhor do seu lar com a planta da casa

Maximize a planta da sua casa

Quero ler este artigo
Varandas

Aprenda a maximizar a utilidade de uma varanda pequena em casa

Sabia que a varanda pequena pode ser um luxo?

Quero ler este artigo
mulher e animal

O senhorio pode proibir animais em casa?

Proibir animais em casa é um tema sensível

Quero ler este artigo
obras em casa

Fique a par das obras em casa que não precisam de licença

Saiba o que fazer em casa sem se preocupar

Quero ler este artigo

Tem dúvidas?

Normalmente há sempre muitas dúvidas na hora de comprar casa.
Nós somos profissionais imobiliários prontos para ajudar a encontrar um imóvel adequado às suas necessidades e
dar-lhe a melhor informação para a ajudar a decidir.

Sinta-se à vontade para colocar qualquer questão

Quero perguntar